CRISE....


E, de repente, tudo mudou... veio a pandemia, nos apavorou, mudamos os comportamentos, estamos tentando adaptações aos novos rumos e, cada um, queira ou não,

teve que ir lá dentro de si  buscar alternativas para enfrentar o então desconhecido...


Será que o mundo não  estaria mudando desde sempre, e a gente não queria ver ?....


Na história da humanidade, sabemos que sempre houveram  guerras, desigualdades,  injustiças,  pragas, preconceitos, derrotas, vitórias  e também  superações.

Mas queremos  acreditar que tudo diz respeito a um mundo que não nos pertence,  porque não o habitamos .  Grande engano ! E foram essas situações que nos trouxeram

  até  o mundo que vivemos hoje. Nada se perdeu. Tudo se repete,  ainda que com cenários e roupagem diferentes. E nesse círculo as gerações vão se substituindo...


Segundo Albert Einstein...

““...Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos.  

Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la,  e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo...”

 

Nas crises  também pode aflorar o PIOR de muita gente,  como nos tem sido possível ver nessa em que ora estamos atravessando.  Compactuamos a mesma situação;

 entretanto, questões de poder vêm à tona e nos conduz à impressão de que vivemos crises diferentes.  Enfim... o vampirismo leva à necessidade de sangue para sobrevivência dos seus seguidores.


Mas há de passar. Nada é pra sempre. Já estamos sentindo que a dor também aproxima as pessoas. Muitos e muitos  ainda se preocupam com o bem do outro, com a vitória

nas CRISES, para que o mundo volte logo a sorrir.   Que a gente possa encontrar o paliativo para ser feliz e ajudar na felicidade do outro.


Aqui entra a PSICOLOGIA . Você pode encontrar seus méritos dentro de si mesmo;  descobrir que é capaz de alcançar objetivos, através das próprias forças, assumir as responsabilidades pelas escolhas que vier a fazer para sua vida.  Pode não transformar o mundo; mas, reconhecer seus erros e acertos  é  saber  o ponto  certo da sua própria

 transformação;  o mundo poderá ser diferente.


Portanto, sentar nos bancos da crise nunca foi solução para se livrar dela. É dever de cada um buscar a  vitória e felicidade  como é,  pelo que é,  por quem é... e assim por diante.


Osvaldo Bispo